Se ela acredita que é outro país

“Conheci meus avós maternos, avó Glória e avô João, avó vendia frutas na Ponte do Bico e nas feiras aonde a nossa mãe a ajudava indo para as feiras Ponte da Barca Braga Senhora do Alívio e outras e ainda trabalhava nos campos de sol a sol com chuva frio ou sol e nosso avô era pedreiro trabalhava em Palmeira fazendo paralelos e meios fio de estradas gostava de uns copinhos todos os dias quando chegava em casa já tocado as vezes punha todos fora de casa uma noite passando pela Ponte do Bico apareceram 3 homens querendo assaltar como ele não tinha dinheiro queriam jogá-lo pela ponte mas um dos homens conheceu-o e não deixou esse homem se chamava Pirolo salvou várias pessoas de morrer afogado no rio Homem.

Tem uma estória que eu ouvia que nosso avô João, por questão de uma pessoa queria maltratar um gato. Houve uma briga com esse senhor muito mais forte que meu avô, aí ele sacou pistola e atirou nele onde ele morreu esse senhor. Era irmão do meu professor do primário em Braga.

Conheci a nossa mãe ainda jovem era bonita alegre muito trabalhadora era uma guerreira o nosso avô comprou uma carroça com cavalo para ir para as feiras mas não deu muito certo o cavalo quando passava pela tasca do nosso pai na ponte do bico enpancava só saia se desse uma tigela de vinho com pão.

Meus avós paternos conheci pouco porque avia pouca convivência com eles sei que tinham 6 filhos

Pai Augusto – Tio António – Tia Tonha – Tia Margarida – Tia Noémia e Tia Palmira, mãe da prima Guida e pela parte Materna Tio Custódio Tio Porfírio outro que não conheci foi para Espanha época de guerra outro no Brasil e a mãe

Em 1947 fomos para Braga Rua dos Marchantes n.º 34 foi estudar escola da Sé minha professora era Dona Marcela foi com ela até 4ª classe passei bem, depois foi para o Porto trabalhar com tio Alfaia até 1958 depois foi para exército

Fiquei no infantaria 8 Braga quando estava de serviço a minha mãe me trazia um sanduíche da casa da sra que ela trabalhava deixava de comer para me dar enfim foi uma guerreira apesar de não saber ler e escrever em contas não tinha igual depois que fiz exército o tio Luiz me mandou a carta de chamada e foi para o Brasil na época da guerra colonial 1960 escapei por pouco se não tinha que ir para Moçambique ou Angola cheguei no Brasil perto do meu aniversário 18/11/60 e me fizeram uma festa que nunca tinha tido pois na época não existia essas coisas escovar dentes só depois que foi para o quartel mas tenho os dentes perfeitos.

Me lembro em 1947 na época da 2ª guerra mundial tudo precisava de senhas para compra de tudo para consumo eu e o pai saímos 6 horas da manhã íamos de lavrador em lavrador para conseguir 1 kilo de pão teve uma ocasião que as senhas que o pai guardava numa caixa sumirão e achou que foi eu que peguei levei uma tareia tão grande depois as senhas apareceram e ele veio me pedir desculpas mas não faz mal estudei em Lago no primário ia descalço para escola pisando na neve mas na época era assim não avia outra maneira mas a gente era feliz e não sabia

Sempre esperando o Natal punha sapato na janela mas nunca tinha nada na época era assim mesmo o que importa foi a educação que tivemos pobres mas honrados

Meu pai esteve no Brasil ficou pouco tempo vinha com dinheiro trabalhou numa fábrica de linguiças um dia ele viu um rato na Salmoura e resolveu jogar fora as carnes pois foi despedido aí foi trabalhar como cobrador dos eléctricos aí ele foi cobrar o bilhete a um preto e ele ameaçou o pai de morte o pai pediu as contas e saiu não era batalha para ele aí veio para Portugal. Onde se estabeleceu na Ponte do Bico com tasca aonde tinha de tudo onde ele trouxe do Brasil um gramofone onde tinha bastante gente para escutar as músicas as Pipas de vinho estavão no andar de cima e ele fez uma adaptação com mangueira e torneira e o vinho descia pela mangueira com torneira, na época era inédito no país o pai se casou com a minha mãe e eu foi ao casamento num carroça o casamento foi em Amares foram morar em Soutelo na casa do Sr. Carvalho que era Padrinho do Álvaro nessa casa foi onde nasceu a Rosa e os outros irmãos nasceram na rua dos Marchantes n.º 34 ao lado da casa da tia Palmira mãe da Prima Guida ai o pai comprou uma roleta para ir nas festas isso foi um pesadelo um ramo que não era dele foi eludido com um conhecido depois foi para o Areal montou uma tasca onde eram 5 irmãos eu na época estava trabalhando no Porto também essa tasca não deu certo enfim a mãe na época vendia frutas no mercado antigo onde hoje é a câmara depois foi para o mercado novo épocas difíceis.”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s